Dás explicações? Consegue novos explicandos!
Inscreve-te como Explicador(a) no Estudante.com para apareceres no directório de explicadores.

Mensagem de erro

Strict warning: Only variables should be passed by reference em mulpo_preprocess_page() (linha 3 de /home/cde/public_html/sites/all/themes/mulpo/template.php).

Como se preparar para um exame oral

Estudantes a fazer preparação para os exames

Os exames orais podem ser bastante assustadores quando não se está devidamente preparado. A par da obrigatoriedade de dominar bem a matéria do exame, é também necessário que o examinado se mentalize devidamente para o sucesso. Saiba como se preparar para um exame oral e faça um autêntico brilharete!

A preparação tem de começar muito antes do exame

Não é de hoje que alguns estudantes têm por costume guardar para a véspera do exame o estudo de matéria que deveria ter sido apreendida ao longo de todo o ano letivo. Esta é uma estratégia muito errada! Ou melhor, esta é uma absoluta falta de estratégia.
Os exames orais, e os escritos também, devem começar a ser preparados mal o ano escolar se inicia. É impossível conseguir uma boa preparação para um exame quando se tenta decorar livros e cadernos inteiros na antevéspera, ou na véspera do grande dia.
Além de que mesmo tendo o aluno uma excelente memória, o exame oral não se compadece com respostas evasivas ou pouco claras. Decorar não é saber, e não é dessa forma que se vai atingir uma classificação elevada.

Procurar perceber em vez de decorar

Os exames orais exigem que o aluno tenha um real conhecimento da matéria. De pouco servirá ter decorado 20 páginas do livro de História Mundial quando não se consegue a explicar por que razão determinado evento teve acontecimento.

Para uma boa preparação para um exame oral é forçoso perceber a matéria na sua essência, e ser capaz de elaborar justificações e interpretações próprias para cada pergunta feita pelos examinadores.

É muito difícil conseguir ludibriar um examinador experimentado. Despejar matéria e deixar a cargo do professor encontrar a resposta por entre o que foi dito talvez resulte num exame escrito. Mas nos exames orais o que se pretende é precisão, concisão, objetividade e sabedoria.

Perceber é a melhor técnica. E para perceber há que estudar com bom ambiente e o mais previamente que se conseguir.

Atenção ao tom de voz

Num exame oral tudo conta para avaliação, ainda que de forma não explicita. Claro que o que irá ser classificado é o real conhecimento do aluno sobre determinada matéria, mas a demonstração desse conhecimento pode ser afetada positiva ou negativamente por diversos fatores alheios à sabedoria do examinado.

Por exemplo, o tom de voz. O tom de voz com que o aluno responde é fundamental para a perceção correta daquilo que diz. Importa não só o que o aluno diz, mas também a forma como o diz.

De alguma forma inconsciente os examinadores estarão a ser influenciados pela determinação, ou falta dela, na voz do estudante. Parece injusto? Mas não é. Afinal no mundo dos adultos todos somos avaliados por muito mais do que o estritamente essencial, não é verdade? Os exames orais são só uma antevisão do que a vida é realmente, e na vida todos os fatores são determinantes para o sucesso.

Assim sendo convém que o aluno prepare antecipadamente o tom de voz com que irá responder aos examinadores.

  • Não é aconselhável falar muito alto, mas também não se deve quase sussurrar. Adotar um volume audível é o ideal.
  • A velocidade com que se fala é também decisiva. Não arrastar as frases de forma penosa, mas também não as metralhar impercetivelmente obrigando os examinadores a pedir para repetir.
  • Utilizar um tom de voz persuasivo, expressivo e eloquente sem ser melodramático, mas sempre fugindo da monotonia que provoca tédio em quem escuta.

A importância da linguagem corporal

A postura corporal também deve merecer a atenção do examinado. A linguagem do corpo diz muito mais sobre nós do que aquilo que possamos pensar.

Por isso nada de torcer as mãos nervosamente enrolando-as uma na outra, nada de bater com os pés no chão nem de balançar o corpo para a frente e para trás.

Certos tiques nervosos são impossíveis de serem contidos, mas outras manifestações de insegurança podem ser evitadas desde que se adquira um controlo relativamente perfeito sobre o corpo.

É bom que o aluno tenha consciência de como se costuma comportar em situações de stress:

  • Sua copiosamente? Então opte por vestir roupas mais leves e de algodão para se sentir mais confortável.
  • Sente vermelhidão exagerada nas faces? Escolha camisolas com decotes mais amplos para que a frescura lhe chegue melhor ao rosto.
  • Sofre de tosse nervosa? Fale pausadamente e respire de forma ritmada sem ofegar.

Alguns detalhes podem fazer toda a diferença na forma como os examinadores irão ser influenciados pelo que o aluno disser, e pela forma como o fizer.

 Preparar um exame oral é muito mais do que tirar apontamentos produtivos ou dominar bem a matéria. O melhor dos alunos pode ser atraiçoado à última hora pelo nervosismo e pela ansiedade. O estudante tem que preparar também o espírito para que o dia do exame o venha encontrar tranquilo e calmo, disposto a evidenciar tudo o que sabe e a brilhar perante os seus examinadores.

Não há nada de inultrapassável num exame oral, é apenas mais uma etapa que os estudantes têm de atravessar na sua vida académica. Não é o fim do mundo nem vai ser o fator decisivo para o seu futuro. Se correr bem, muito bem. Se correr mal, haverá nova oportunidade para melhorar. Nada é irremediável e nada está perdido antes de ser tentado. Fazer sempre o nosso melhor é o lema e é a melhor estratégia para se vencer num exame oral.

A sua votação: 
Sem votos